domingo, 27 de novembro de 2011

Whitney, meu Amor — Judith McNaught

Postado por Lidy às 11/27/2011 09:45:00 PM
(Whitney, my Love — Editora Best Seller — 1999)


Órfã de mãe e criada por um pai severo e frio, a adolescente Whitney Stone choca a sociedade inglesa do começo do século XIX com seus modos, sua espontaneidade e rebeldia. Desde menina, ela ama o belo e aristocrático Paul, perseguindo-o em todos os lugares e inventando as mais inusitadas formas de chamar-lhe a atenção.
Enviada a Paris, ela recebe um longo treinamento para transformar-se uma mulher fina, glamourosa, irresistível. Quando retorna a Londres, está mudada, mas ainda disposta a conquistar seu amor de infância.
Porém o irascível e poderoso duque Clayton Westmoreland é quem se interessa mais vivamente pela jovem mulher. E é ele quem, por meio de artimanhas maquiavélicas, consegue levá-la ao altar. Mas Whitney recusa-se a aceitar imposições, e está disposta a fazer tudo para livrar-se do odioso casamento. A convivência, porém, traz surpresas, e dentro de pouco tempo o duque se revela muito mais charmoso e gentil do que ela desejaria admitir.
Talvez Paul não passe de uma fantasia infantil; talvez Clayton tenha bons motivos para agir tão brutalmente; talvez o casamento não seja um erro tão grande assim…

Whitney era, antes de nascer, o filho desejado de um casal inglês. Infelizmente, quando o “herdeiro” nasce e o pai percebe que o filho era uma menina, radicaliza e dá a ela nome de homem mesmo. A mãe de Whitney morre quando ela é criança e, aos 16, ela é exilada na França com os tios.

De temperamento forte e decidida a conquistar a aprovação do pai, ela decide se tornar uma beldade... E consegue. Whitney atrai a atenção de dois homens, por motivos diferentes: Nicholas DuVille, um francês tudodebomedomelhor irmão mais velho de sua amiga Therese, e Clayton Westmoreland, um duque inglês que a vê de relance e propõe ao porco do pai de Whitney que a venda dê sua mão em casamento em troca de pagar todas as dívidas possivelmente contraídas em nome das necessidades femininas de Whitney. O homem aceita e Clayton decide agir.

Infelizmente, a primeira aproximação dele não sai muito bem, ainda mais porque Whitney não esqueceu o vizinho Paul, que praticamente não sabia que ela existia e ignorava a devoção cega que ela lhe dedicava. Eis que, uma vez que Whitney retorna à Inglaterra, Paul começa a notá-la... Mas Clayton ainda estava no jogo e não era o tipo de homem que jogasse para perder, ainda mais depois de tamanho investimento. Então, ele elabora um plano megalomaníaco de fazê-la se apaixonar por ele antes do casamento. Mas Whitney está certa de que o odeia e simplesmente se recusa a deixar Paul de lado, mesmo que definitivamente sinta algo por Clayton.

Quando ela descobre a farsa de Clayton e do pai, Whitney tem certeza de que precisava fazer alguma coisa para evitar que o casamento se realizasse... E justo quando ela começava a se apaixonar, uma mentira faz Clayton tomar uma atitude que poderia destruir aquele amor para sempre.

Minha opinião:

Essa é a segunda vez que leio Whitney, meu Amor e, diferentemente da primeira, eu odiei. Não sei qual é a explicação disso, mas suponho que, aos 15 anos, eu fosse mais complacente e tolerante com personagens do que eu sou hoje.

No início, gostei de Whitney — ela era sensível, determinada e queria a aprovação, além de ser o oposto das dondocas da sociedade inglesa (quase uma das personagens de Patricia Grasso), mas no decorrer do livro, ela se torna uma criatura infantil, obtusa, teimosa e que se ferra sempre porque perde excelentes oportunidades de ficar calada ou quieta.

Clayton é megalomaníaco, convencido e arrogante, o tipo de personagem que faz tudo para conseguir o que quer. Ao contrário do meu amado Lucien de Montforte — que precisa ser resenhado aqui (oremos) —, os planos de Clayton têm tudo para dar certo e a arrogância dele coloca tudo a perder. Ao mesmo tempo, ele é decidido e, de certa forma, devotado, o que me fez pensar que ele deve ser bipolar. Apesar disso, ele também é nervosinho e precisa urgentemente de uma terapia, sem contar que tem a tendência irritante de acreditar em tudo que as pessoas dizem — e justamente causa a cena mais horrorosa do livro.

Nicholas DuVille, um dos pretendentes de Whitney, é aquele coadjuvante que merecia ser o herói, pois a mera menção do nome dele ofuscava qualquer cena com Clayton. Resultado: os leitores tanto pediram que Judith McNaught escreveu um livro — certo, um conto — para ele, e teria sido melhor se a gente só tivesse esperado. Ainda quero descobrir porque coadjuvantes tão bons se tornam completos idiotas. Enfim... O outro, Paul, é tipo aquele tio que a gente tem e nem lembra. O cidadão só é lembrado porque Whitney é obcecada por ele, apesar de eu ainda não ter entendido por que.

No mais, enquanto o livro certamente é bom, pois a autora consegue fazer o leitor ir em frente mesmo quando o desejo é rasgar as folhas, jogar pela janela e gritar para aquele seu vizinho irritante comê-las e sumir, não consigo mais achar que seja essa Coca-Cola toda. Os personagens principais me irritaram a ponto de eu querer estapeá-los, e o Nicholas foi o único que parecia normal no meio daqueles loucos. São pouco mais de 400 páginas, mas eu me senti como se tivesse lido 4000. Dizem que quando um autor consegue isso, é bom. Mas eu já perdi a paciência com o combo mocinho bruto + estuprador + heroína estúpida e agora só quero que esse tipo de personagem morra e arda na divisão mais quente do inferno.

9 comentários:

Mara on 27 de novembro de 2011 21:52 disse...

Oi Cunhada!

Senti labaredas no seu comentário...rs.

Realmente esse não é um dos meus livros prediletos e por vários motivos, um deles é quando os "mocinhos" caem em qualquer intriga, provando que não tem confiança um no outro...

A meu ver "amor sem confiança" não sobrevive.

Enfim, ótima resenha... e amiga... leia o meu amado Duncan de "Esplendor da Honra" agora pra que vc tire esse gosto amargo da boca!

bjos
Mara

Lidy on 27 de novembro de 2011 21:56 disse...

É, cunhada, eu tô num estado impaciente-irritadiço que tem tudo a ver com a TPM. Será que se eu comer um chocolate eu fico mais calminha?

Esse Duncan deve ser tudão, hein? Agora só vamos esperar eu ler O Lobo Chorão e a Pomba Sem Asas para ver o que acontece. hehehehe

Lidy on 27 de novembro de 2011 21:57 disse...

E amor sem confiança realmente é o fim da picada. Por essas outras que prefiro uma Gilly da vida a essas mocinhas que só têm fachada.

Mara on 27 de novembro de 2011 21:59 disse...

Lidy!

Você realmente tocou na questão, é por isso que apreciamos tanto a nossa familia! Mocinhas inteligentes, objetivas e dura-na-queda.

Quanto ao Wulfgar... espero sinceramente que você o aprove!

bjos
Mara

Ps. o Duncan é tudão e meio!

Lidy on 27 de novembro de 2011 22:07 disse...

Cunhada, eu também espero aprovar o Wulfgar. Já me falaram mal dele e tô pronta para odiar... Aí chega você e fala bem. Qualquer coisa, a gente manda os meninos resolverem. :p

PS: tudão e meio? Tudão E MEIO? OMG!

Flavia Lourenço disse...

Hello!

Estou de volta! :) Ainda não li os livros postados aqui ontem e anteontem, mas já está na minha listinha...
Mas vim aqui para te indicar, como eu disse, um livro que talvez vocês gostem muito!
Então, o primeiro que eu gostaria de indicar, que sem via de dúvidas está no meu top5, é da série "Escravos do Amor" da autora Kate Pearce, o primeiro livro é "Casa do Prazer", que com certeza é meu preferido entre os que eu já li da série. Cara, eu me apaixonei pelo livro já do começo e simplesmente o comi de tão rápido que eu li, o livro é hot, mas tem de tudo que eu gosto...intrigas, negação, amor, dúvidas, e aceitação. Enfim, gostaria de ver a resenha dele aqui, o que provavelmente me fará lê-lo de novo! hehehe

Beijosss;*

Elis Culceag on 28 de novembro de 2011 17:30 disse...

Adorei seu desabafo, já li dois livros dessa autora, "Todo ar que respiras" e "Um Amor Maravilhoso", e gostei dela, mas essa descrição de mocinho que você passou realmente tira o tesão.Bjs.Elis
http://arquivopassional.blogspot.com/

Elisângela on 3 de dezembro de 2011 17:51 disse...

Nossa, encontri alguém que fez voz aos meus pensamentos! Tb achei os personagens instáveis, inseguros e tudo o mais. Chamar o clayton de bipolar foi o máximo!

Lidy on 6 de dezembro de 2011 22:26 disse...

Elis, já me falaram maravilhas desses livros, mas depois de Whitney - e de Miracles, a história do Nicholas -, eu decidi dar um tempinho nos livros da Judith, apesar de ainda pretender lê-los.

Elisângela, eu prefiro um livro sem história, sem-graça e sem sentido a um livro sem personagens interessantes. Não adianta ser badalado, ter um enredo ótimo, se eu não consigo sentir nada pelos personagens além de raiva, né?

Bjos

Postar um comentário

Olá, bem-vindo(a) ao EB. Deixe seu comentário que adoraremos ler. :)

 

Emotion Box Copyright © 2011 Design by Ipietoon Blogger Template | web hosting