quarta-feira, 28 de abril de 2010

Mais perto do céu - Rebecca Winters

Postado por Rafaela às 4/28/2010 11:00:00 AM 1 comentários
Resumo: De coração para coração. Com toda a dedicação, Rachel Mardsen sempre tentou fazer o melhor pela filha, enfrentando todas as dificuldades de uma mãe solteira. Assim, quando o pai de Natalie reaparece depois de 12 anos, Rachel pode apenas recolher seus sentimentos e conviver com sua antiga paixão durante as férias da família nas montanhas suíças. Mas à medida que Rachel e Tris assumem os papéis de mãe e pai, mistérios do passado são desvendados, e uma segunda chance parece surgir... Minha Opinião: Gostei bastante do livro. Gosto muito desse estilo Contemporâneo e também da temática desse livro que é 'Reencontro'. Mais perto do céu é um livro daqueles fininhos que emocionam e valem super a pena. Rachel Mardsen é uma mulher super independente, trabalhadora e mãe solteira, que sempre fez de tudo para esquecer a mágoa por ter sido rejeitada pelo pai da sua filha e tentar suprir a falta que uma figura paterna faz na vida da menina. Mas só que as coisas não são sempre como a gente quer e Rachel vai descobrir logo logo uma verdade que mesmo que ela não queira, vai mudar tudo na sua vida e na de todos os envolvidos, se para melhor ou pior, só o tempo e o final da estória dirão. rs Tris Monbrisson é dono de uma fortuna incalculável e ex-amor de Rachel, só que ele não sabe disso ou melhor, ele não se lembra. Até que um dia o destino usando por intermédio seu sobrinho, mostra a Tris um pedaço do passado que ele nem desconfiava e muito menos as repercussões dele. Não é fácil descobrir de uma hora para outra que ele tem uma filha de 11 anos, é um baita choque, mas superado esse primeiro momento, Tris quer reinvidicar seus direitos e sua presença na vida da filha, mas para que isso funcione bem, primeiro existem muitos detalhes a serem acertados e muitos pontos a serem esclarecidos para que finalmente todos possam ser felizes. Ver os diferentes pontos de vistas dos personagens envolvidos na questão e como um mal-entendido gerado por um acontecimento do passado, consegue mudar tantos destinos é interessante. É uma leitura tranquila, mas com momentos emocionantes e românticos (se bem que eu gostaria de mais, mas por ser meio pequeno e com outros conflitos, acho que no final das contas o lado romântico foi abordado na medida certa). Achei o livro bem legal. Para quem gosta do gênero (como eu) é uma ótima pedida. =) Bjs

Lover Mine — JR Ward

Postado por Lidy às 4/28/2010 01:27:00 AM 7 comentários
Como começar a falar de um livro que esperei por quase um ano, sem deixar escapar alguns spoilers de arrepiar os cabelos? Bem, vamos para o mais fácil: a Irmandade da Adaga Negra está finalmente sendo publicada no Brasil (sob os títulos “Amante Escuro” e “Amante Eterno”, e não, não comprei por falta de recursos. Yeah.), e entre a espera de uma chegada em português e outra, e as publicações aleatórias da Warden, os leitores estão loucos para saber que fim — ou começo — o misterioso, fofo e inseguro John Matthew e a cold-hearted bitch Xhex levaram. Pois bem, o momento de espera acabou! E esta blogueira que aparece esporadicamente pede os mais sinceros perdões, pois no momento da escrita deste post, estava influenciada por Lover Mine. Sem enrolação, vamos àquela que será a resenha mais longa publicada aqui: Nas esquinas mais escuras na noite de Caldwell, Nova York, há um conflito como nenhum outro. Há muito dividida como um aterrorizante campo da batalha dos vampiros e seus inimigos, a cidade é o lar de um grupo de irmãos nascidos para defender sua raça: os vampiros guerreiros da Irmandade da Adaga Negra. John Matthew passou muita coisa desde que foi encontrado vivendo entre humanos, sua natureza vampiresca desconhecida para ele e para aqueles a seu redor. Depois de ser pego pela Irmandade, ninguém poderia imaginar qual era sua verdadeira história — ou sua verdadeira identidade. Na verdade, o falecido Irmão Darius retornou, mas com um rosto e um destino muito diferentes. Quando uma vingança pessoal e viciosa leva John ao coração da guerra, ele vai precisar chamar sobre quem ele é agora e quem ele foi um dia para enfrentar o mal encarnado. Xhex, uma assassina sympath, se protegeu há muito contra a atração entre ela e John Matthew. Já tendo perdido um amante para a loucura, ela não vai permitir que o macho de valor caia na escuridão de sua vida tortuosa. Entretanto, quando o destino intervém, ambos descobrem que amor, como destino, é inevitável entre almas gêmeas. Minha opinião: Querida Virgem Escriba no Fade! Desde o primeiro momento eu soube que me esbaldaria com esse livro. Anteriormente, a Warden tinha prometido que ia caprichar, para fazê-lo o melhor livro que ela já escreveu. E não é que ela cumpriu a promessa? O fim de Lover Avenged deixou um gancho cara-de-pau para a história de John e Xhex ser finalmente acertada, e apesar de eu estar temporariamente zangada com ele, percebi no mesmo instante que a zanga não duraria muito. O motivo é simples: apesar de seu comportamento egoísta e um tanto infantil, John ainda é quem é/foi, e permanecia como um dos personagens que mais gostei. Então, quatro semanas após o resgate de Rehvenge, Xhex ainda está desaparecida. Rehvenge tentou encontrá-la nos cafundós da colônia sympath, sem sucesso, o que levou os Irmãos a imaginarem que ela só podia estar com Lash. O filhotinho do Ômega a seqüestrara, com a intenção de se vingar por ela ter matado a Princesa sympath, mas ao perceber o quanto Xhex era forte, ele começa a se apaixonar por ela e deseja que ela a) se transforme na primeira lesser fêmea e b) se torne mãe dos netinhos do mal. O que ninguém contava era que, apesar de mantê-la presa, Lash conseguiu fazê-lo bem debaixo do nariz da Irmandade, com a ajuda de um feitiço que a deixava invisível e inaudível para todos, exceto para ele mesmo. Enquanto ela sofre estupros e fome (tanto de comida quanto de sangue), John decide esconder o amor que sente por ela, pois, na opinião dele, a Irmandade iria querer outra shellan. E também Xhex deixou muito claro que nunca corresponderia aos seus sentimentos, fossem eles quais fossem. Ferido em seu orgulho e com sede de vingança, o homem decidiu dar férias ao bom senso e cuidar de trazê-la de volta, viva ou morta, de qualquer jeito. Como forma de simbolizar seus sentimentos por ela, ele tatua o nome de Xhex nas costas e pede ajuda a Trez e iAm. Eventualmente, ela escapa das garras de Lash, e John a encontra. Ferida, assustada e muito mal, ela quase o ataca, porém sua defesa cai ao vê-lo e lembrar a expressão dele ao encontrar seu cativeiro e imaginá-la morta. Ele a leva para a mansão da Irmandade, e, numa tentativa de fazê-la menos traumatizada, ele decide lhe dar algum espaço e ser apenas um apoio, um ombro amigo. Quando as coisas começam a se acertar, Xhex percebe que não poderia deixar seus sentimentos por ele interferirem e colocarem John em perigo. A solução agora era lutar contra todas as barreiras que havia entre eles, começando pelo fato de ela não conseguir confiar, permitir-se amar ou ser amada, passando pelo problema de comunicação, pelas idéias idiotas de John a respeito de não ter valor, pelo passado, pela necessidade de ambos se descobrirem e se aceitarem. SPOILERS! SE VOCÊ NÃO GOSTA DE SPOILERS, NÃO LEIA O QUE VEM A SEGUIR! Aviso dado... Vou fazer uma breve descrição do que mais me chamou a atenção: Xhex: eu sabia que a adorava por uma razão. A mulher é forte, uma sobrevivente, que sempre se recusa a desistir, apesar de perder a esperança. Assim como Mary, ela sabe o que quer, e entende que só vai conseguir se se esforçar. Vê-la se desenvolver como pessoa, aceitando algumas coisas inevitáveis, se perdoando, e aprendendo a amar é ótimo. E vê-la admitir que precisar de ajuda não é sinal de fraqueza, mas força interior, é emocionante. John: me recuso a falar sobre o John-que-é-Darius. Só isso: o John que eu queria conhecer mais profundamente está aí, tão amável quando o menino esquelético que marca presença em “Amante Eterno”. Mais maduro graças aos acontecimentos recentes, ele percebe que o homem que um dia foi seu amigo, e que agora é seu pai, nunca deixou de amá-lo, e o comportamento que o menino necessitado de amor via como egoísta e desinteressado era o reflexo da dor mais profunda que uma pessoa pode suportar. A cena em que ele encontra o cativeiro de Xhex e começa a chorar ao ver sangue é maravilhosa, especialmente porque enquanto ele chora, é observado por ela e pelos Irmãos; ele sofre por imaginá-la morta, mas não faz a menor idéia de que ela está viva, ferida, pedindo sua ajuda e precisando dele. Blay e Qhuinn: todos se perguntavam se algum dia eles se resolveriam, e a resposta aqui é difícil. Enquanto Qhuinn finge que não ama Blay, o ruivo começa a se envolver de outra forma, com outra pessoa... Sinal de confusão. Lash: MORRA!!! Tohr/Darius: ainda chorando a perda de Wellsie, Tohr é o responsável pela melhor frase do livro. Sua participação, no entanto, é melhor nos flashbacks de Darius, que relatou a vida da Irmandade no século XV. Aliás, é incrível como uma boa amizade pode influenciar uma pessoa, pois eu tenho certeza de que toda aquela educação e respeito de Tohr não foram ensinados pelo pai. E algumas coisas que damos como certas, simplesmente são uma bolachinha do pacote... No’One: é, a Escolhida-do-manto-negro teve uma vida escabrosa. Ruim mesmo. O desenrolar da história dela não é óbvio, daquela que a gente lê a primeira linha e diz “É isso mesmo, eu sabia!”, mas conforme as coisas se acertam, passamos a entender algumas coisas. Payne: livre da animação suspensa, Payne aproveita a chance de lutar com Wrath para deixar claro sua posição em relação às Escolhidas — de jeito nenhum ela se tornaria uma delas. E apesar do amor presente entre ela e o Rei Cego (é só ver a surra que eles se dão), Wrath é o responsável pelo fim que teve em LM. Murhder/A equipe de TV: não vou dizer que entendi essa coisa toda, mas se minha linha de pensamento estiver correta, o ex-amante de Xhex tem muito papel para desempenhar — e por uma conversa que ele teve (“Você tem sorte em ter aquela que deseja ter ao seu lado, então pare de ser um cego idiota a esse respeito”), atrapalhar a vida dela é uma delas. Aliás, o cara é doidão, mas é impossível não gostar dele — como eu disse, o homem é doido. E que inferno de nome é “Eliahu”? Então, eu amo LM. Acho que esse foi o livro mais romântico depois de “Lover Revealed”, e tem início, meio e fim, o que faz o leitor se preocupar com o destino dos personagens. Quero muito o livro de Payne, porém, como sempre, afirmo: Darius e Tohr ainda são meus preferidos, e como já li o livro de Darius, mal posso esperar pelo do Tohr — e esqueci de dizer: o jovem Tohr é uma graça, e a química dele com No’One me deixou mais tranqüila a respeito daquilo-com-Wellsie. Certamente, se eu costumasse avaliar os livros com estrelinhas, de cinco, eu daria seis. LM cumpriu com todas as minhas expectativas — ou a maioria delas —, e me deixou com gosto de quero mais. E que venha Payne!

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Mel do Pecado - Barbara Leigh

Postado por Mara às 4/19/2010 09:08:00 PM 8 comentários
Mel do Pecado

A HISTORIA DE UM AMOR POLEMICO QUE TRANSGRIDE TODAS AS LEIS O mais profundo desespero assaltava Connaught. Contra todos os valores de guerreiro madieval apaixonara-se por outro homem!

Amava Drue Duxton, ansiava desesperadamente pelo corpo dourado de mel e sol do lendario cavaleiro que o tornara prisioneiro em terras inglesas.

Como desejava expiar esse sentimento que ameaçava sua vida e sua alma com o fogo do inferno. Seu amor por Drue era a um só tempo benção e maldição!

Drue compadecia-se do prisioneiro, cujos olhos azuis cheios de ceu refletiam o peso de todos os pecados! Mas não podia lhe aliviar os tormentos. Ela havia renegado seu sexo por juramento e por opção. Ela era e sempre seria um cavaleiro do reino, não uma mulher!

Meu Comentário:

Eu já sabia que o livro era polêmico, mas apesar de todos os comentários, eu não estava preparada para a verdade aterradora desse clássico da literatura.

O fato de Drue deixar o Connaught cozinhando em óleo fervente, acreditanto ser anormal, um ser pecaminoso a ponto de perder a própria alma, me irritou profundamente.

Mas o que mais me chocou foi o fato de Connaught ser casado e ter 3 filhos.

As cenas de luta foram divertidas, principalmente porque Drue ganhava todas.

Quando finalmente Connaught descobre a verdade sobre Drue, começa a luta de verdade. Ele querendo transformar a Drue em mulher e a Drue brigando querendo continuar como cavaleiro, guerreiro.

A luta de vida ou morte pra decidir esse impasse é eletrizante e o desfecho é perfeito!

Cenas hilárias com a Allyson, que é casada com o Garith, irmão mais velho da Drue, apaixonada e fazendo loucuras para conquistar o cunhado(a) é um capítulo à parte e imperdível. Connaught se divertiu muito, nesse episódio.

Enfim, meu único se não é o fato de não mostrar a reação da Mãe Graham sabendo a verdade sobre a natureza de Drue e a luta final, por esse motivo não pude dar a nota máxima.

Como minha amiga Silvinha sempre me diz, é importante ler e ter sua própria opinião... o livro super vale a pena.

Nota 9

Bjos

Lady d'Arques

Desejo Arrebatador - Lynne Graham

Postado por Mara às 4/19/2010 08:44:00 PM 2 comentários
Desejo Arrebatador A ingênua Kathy Galvin trabalha noite e dia para esquecer um trauma do passado.
Até o momento que é seduzida por seu patrão incrivelmente charmoso e rico, Sergio Torrente.
Mas as horas de paixão trouxeram um resultado: Kathy está grávida! E não demora muito para ele descobrir toda a verdade... sobre o passado dela e sobre o bebê.
Sergio fará de tudo para acompanhar o crescimento de seu herdeiro... até mesmo casar-se com Kathy!
Meu Comentário:
Kathy é uma ex-presidiária que após cumprir pena por um crime que não cometeu, se submete a sobreviver de subempregos.
Trabalha como garçonete na lanchonete de uma grande amiga durante o dia, e de faxineira num prédio de executivos durante o turno da noite.
Numa das ante-salas dos executivos existe um jogo de xadrez com a placa de "NãoToque"; como exímia jogadora que é, Kathy não resiste e começa a jogar desafiando um oponente que se vê intrigado pela estratégia e inteligência desse exímio e misterioso jogador.
O livro é uma Guerra de orgulho e preconceito. Kathy é sincera e leal e isso torna impossível o relacionamento deles, pois Sergio não acredita em sua inocência, apesar da arrogância de Sergio algumas vezes consegui ficar com pena dele, pois Kathy é linha dura e faz Sergio pular conforme seu comando.
Os jogos de xadrez tem sempre uma aposta sensual e isso torna os jogos um espetáculo à parte. Leitura rápida e de satisfação garantida. Ah... a festa de casamento... é decorada com motivos do jogo de xadrez, uma escolha do Sergio (achei meigo...rs).
Nota 8 (só porque o livro é curtinho... e eu li em um dia...rs)
Bjos
Lady d'Arques

quinta-feira, 15 de abril de 2010

O Lobo e a Pomba - Kathleen E. Woodiwiss

Postado por Mara às 4/15/2010 10:06:00 PM 16 comentários
O Lobo e a Pomba
Inglaterra, medieval
Na Inglaterra, no tempo dos druidas, houve certa vez um guerreiro de grande coragem que desafiou e venceu os deuses em combate, como punição, foi transformado em lobo de ferro.Segundo a lenda, nos momentos em que a guerra assola a Terra, o lobo volta à vida na forma de um guerreiro ousado, invencível e imortal.
Como agora, quando normandos e saxãos entram em conflito em Darkenwald e a vida da bela Aislinn depende da concretização da profecia.Filha de um nobre assassinado pelos invasores, Aislinn é a sofrida heroína de o Lobo e a Pomba.
Meu Comentário: É muito difícil fazer resenha de um livro inesquecível. A resenha fica enorme e com muito Spoiller. Mas não posso abster minhas amigas da minha humilde opinião, por isso vou tentar ser sincera, sem ser estraga prazeres. Para começar, vamos deixar bem claro que “O Lobo e a Pomba” é um livro que marca a nossa vida em antes e depois da leitura. Sim...!!! Nunca mais você será a mesma, isso eu garanto. A autora conquistou lugar cativo no rol das minhas prediletas com certeza, completamente empatada com minha autora preferida Hannah Howell. Apesar do que se fala na sinopse da contracapa não é um livro místico. Na verdade é bem medieval e tem toda sorte de violência crua. Para mentes muito sensíveis o inicio do livro será definido como brutal, pois o povo de Aislinn é chacinado e ela é violentada por Ragnor o cavaleiro enviado por Wulfgar que será o novo Senhor das Terras que outrora eram propriedades do pai de nossa heroína. Nesta difícil trama ainda temos Kerwick o noivo prometido de Aislinn que foi escravizado por Wulfgar. Os primeiros embates entre o Lobo e a Pomba são eletrizantes; Aislinn é destemida, valente, insolente, persistente, incansável. Wulfgar rivaliza com meu Lord Anvrai d’Arques... nas cicatrizes, na carência, na escolha de não amar, nem se envolver profundamente para se proteger da dor e da decepção. Um homem justo, cavalheiro, soldado, lord, incansável. ... Sim, eu sei... Vocês dirão que eu estou apaixonada... Oh!!! Por favor eu lhes peço... não contem ao Anvrai... hauhau... ele jamais me perdoaria...rsrs Os vilões são terríveis, e algumas vezes temi que fossem imortais. Eu vivi em Darkenwald... Eu amei... chorei... ri... gritei... fiquei frustrada e sobrevivi. Admito que li no conta-gotas com um medo enorme da depressão que sentiria ao ter que deixar Darkenwald. Sei que ainda terei esse livro muitas vezes em minhas mãos... relendo, anotando... Sim... Anotando... Pois tem umas passagens lindas... que falam do amor do lobo e da pomba. Só pra citar... O pai de Wulfgar dá um conselho a Aislinn “Deixe o lobo uivar para a lua. Ela não vai descer do céu para ele. Deixe que ele vagueie pelas florestas à noite. Não vai encontrar nelas o que procura. Só quando admitir que precisa de amor ele encontrará a verdadeira felicidade. Até então, seja fiel e boa para ele. Se guarda algum calor por ele em seu coração, Aislinn, dê a ele o que a mãe negou. Procure acalentá-lo com seu amor quando ele depuser seu coração torturado aos seus pés. Envolva o pescoço dele com uma coleira de fidelidade que ele virá docilmente para você.” Tem um trecho em que Wulfgar está em Londres olhando o Céu e contemplando as estrelas... “Wulfgar levantou e foi para a janela, sem se importar com o frio que entrou no quarto quando a abriu e olhou para a rua vazia lá embaixo e para a lua imensa e pálida no céu. Aos poucos foi se acalmando, e a única coisa que não deixava sua mente era Aislinn de Darkenwald. Aquela mulher tão frágil, pensou ele, tão bela e altiva. Maltratada, é verdade, mas ousa me enfrentar como uma Cleópatra saxã. Ela defende tão bem sua causa que enfraquece minha vontade. Como posso recusar quando ela desvenda a própria alma tão completamente e procura tocar as profundezas de minha honra? Enfrenta minha ira para o bem de seu povo e me curva à sua vontade, quando devia ser o contrário. Wulfgar passou a mão na testa, incapaz de afastar Aislinn da lembrança. Contudo, de algum modo, eu desejo que ela...” No mesmo momento Aislinn completa o pensamento olhando a mesma lua e o Céu cheio de estrelas... em Darkenwald “... que ele me jurasse fidelidade, suspirou Aislinn, olhando para a tua enorme, sobre a charneca. Se ele jurasse e dissesse que me ama, eu ficaria contente. Mesmo na avidez do seu desejo, ele é bom e justo, e aqui estou eu, presa a este corpo de mulher que incendeia todos os sentidos dele. Eu não pedi para ser possuída por ele, mas não posso culpá-lo por ser o que é. O que preciso fazer para ganhar seu favor se quando estou em seus braços não consigo sequer lutar contra ele? Seus beijos vencem toda a minha resistência, e sou como uma haste de salgueiro na tempestade, dobrando ao sabor do vento. Ele se contenta em ter-me sempre às suas ordens, em usar meu corpo para seu prazer, sem oferecer ou prometer nada em troca. Porém, eu quero mais. É verdade que ele não foi o primeiro que me possuiu, mas suas atenções certamente me concedem alguns direitos. Não sou uma mulher da rua, para ser usada e abandonada. Ele precisa compreender isso. Tenho honra e orgulho. Não posso ser sua amante para sempre, tendo para mim uma parte tão pequena de sua vida. Tirou a roupa, deitou sob as mantas de pele e puxou para perto do rosto o travesseiro que guardava ainda o cheiro de Wulfgar. Apertou-o contra o peito, e quase podia sentir os músculos fortes sob suas mãos, o calor de seus lábios nos dela. Eu o quero todo para mim, concluiu. Não sei se o amo ou não, mas eu o desejo mais do que já desejei alguma coisa na vida. Mas devo agir com sabedoria. Devo resistir com o limite máximo das minhas forças, sem despertar sua ira. E, se ceder por pouco que seja, eu lhe darei todo o amor que tenho, ou que posso roubar ou pedir emprestado. Ele não vai se arrepender.” Ainda tem um trecho perfeito... a declaração de amor do Lobo: “— Eu sei pouco sobre o amor, Aislinn — disse o normando, finalmente —, mas sei muito sobre coisas perdidas. Jamais consegui o amor de minha mãe. O amor de meu pai foi arrebatado de meus braços. Guardei meu amor com avareza durante toda a vida, e agora ele explodiu em chamas dentro de mim. Os olhos cinzentos do normando brilhavam com a inocência de uma criança. Afastou o cabelo do rosto dela, — Primeiro amor—murmurou ele, docemente. — Amor do meu coração, não me traia nunca. Tome o que eu posso dar e faça disso uma parte de si mesma. Leve meu amor dentro você o tempo todo, como fez com aquela criança, e então, com uma exclamação de alegria, deixe que saia para que possamos partilhar essa felicidade. Eu lhe ofereço a minha vida, meu amor, meus braços, minha espada, meus olhos, meu coração. Fique com tudo. Não deixe sobrar nada. Se jogar tudo fora, estarei morto, e vou vaguear pelos montes como uma alma perdida.” O final é perfeito de uma maneira que não consigo explicar sem contar todos os segredos da trama. Para finalizar quero deixar aqui meu agradecimento público a minha amiga-irmã-do-coração Rogiane, que me deu um presente lindo, perfeito e inesquecível, esse livro que guardarei como uma jóia rara e de valor inestimável. Nota? Impossível ... não existe cotação pra um dos melhores livros que já li na vida! Bjos Lady d’Arques

terça-feira, 13 de abril de 2010

Destemido Cavaleiro - Jackie Ivie

Postado por Mara às 4/13/2010 10:41:00 PM 7 comentários
Destemido Cavaleiro Escócia, 1747 Corações unidos Desde que Lisle MacHugh perdeu o marido numa batalha, seu clã mal consegue sobreviver. Agora, os MacHugh podem reverter sua sorte se concordarem em entregar a mão de Lisle em casamento a seu maior inimigo: o notório lorde Langston Monteith. Monteith retorna à Escócia após anos de exílio. Depois dos atos vis que seu pai cometeu, enlameando o nome da família, nenhuma moça decente concordará em se casar com ele. Contudo, quando seus olhos se deparam com a impetuosa Lisle, ele jura a si mesmo que aquela mulher será sua... Após o casamento, Lisle percebe que o marido lhe esconde algo e passa a desprezá-lo. Monteith, porém, a faz despertar para uma poderosa paixão e conhecer prazeres que ela nunca imaginou que existissem. E quando os segredos dele forem revelados, ambos enfrentarão o maior de todos os desafios, quando seu amor será posto à prova...
Meu Comentário:
Quando leio essa autora fico com a sensação que ela se esquece de me contar o que está acontecendo. Sabe quando você pega um filme pela metade?... é essa a sensação. É necessária uma dose extra de de paciência e persistência.
As vezes imagino, meio que para justificar a autora, que seja culpa de uma tradução mutilada.
Bem, o que salvar do livro?...rsrs Bem pouco, eu admito que o principal, o "mocinho". Apesar dele tratar a mocinha com certa indulgência, e de forma a torná-la leiga em toda e qualquer assunto; principalmente nos seus jogos políticos. Aceito a explicação, que a honradez e a honestidade das mocinhas os entregaria de cara ao inimigo.
Apesar do amor florescer, essas diferenças de mentiras e honestidade, acaba meio que desencantando o romance.
Detalhe para os diálogos, gente eu me sentia um cego no meio de um tiroteio.
Para resumir das duas uma ou a autora é ultra-mega-inteligente, ou eu que sou meio lerdinha...rsrs
Nota???? Vou me abster dessa também!!!!
Bjos
Lady d'Arques

Nasci Para Te Amar - Lori Foster

Postado por Mara às 4/13/2010 09:22:00 PM 3 comentários
Nasci Para Te Amar
No calor do momento...
O principal objetivo de Nora é o trabalho. O emprego de secretária num consultório médico ajuda-a a ocupar a mente, e o salário é suficiente para manter seu estilo de vida simples. Ela não está preocupada em parecer atraente, nem interessada em se envolver num relacionamento. Embora tenha apenas vinte e cinco anos, um segundo casamento não faz parte de seus planos para o futuro. Somente um homem muito especial, que ame como ela merece ser amada, poderá fazê-la mudar de idéia, depois de já ter sido casada e ficado viúva.
Está cada vez mais díficil para o dr. Cary Rupert manter a serenidade e a concentração no atendimento aos seus pacientes. A secretária do consultório ao lado não lhe sai do pensamento, a ponto de ele se atrapalhar até mesmo com o estetoscópio! Por que aquela jovem de feições delicadas faz questão de se esconder atrás de um par de óculos e de um austero uniforme branco que não consegue ocultar as formas graciosas de seu corpo?
Cary não sossegará enquanto não descobrir a resposta, e enquanto não mostrar a Nora que ele pode ser tudoo que ela precisa!
Meu Comentário:
O livro começa com Cary à 11 meses tentando seduzir Nora, e esse fato me deu a sensação de ter começado a ler o livro do meio para frente. Deixo aqui bem claro que isso em nada prejudica a estória.
Nora é uma jovem viúva traumatizada e resta a Cary, resgatá-las dos traumas passados.
Ponto super positivo para a cena de Cary e Axel, melhor amigo de Cary, brigando de socos. É hilário ver e ouvi-los discutindo o que Cary deve fazer depois que Nora recusa seu pedido de casamento... E sem dúvida o "Melhor" é que Nora vê e ouve tudo.
Dei ótimas gargalhadas também com a cena de Cary desmaiando ao receber a notícia que vai ser pai e Nora para não perder a piada pede ao fotografo que registre esse momento único... detalhe: eles estavam no jardim para entrar no salão em que a festa de casamento deles estava sendo realizada.
Livro Divertido Nota 8 (faltou os 11 meses)
Bjos
Lady d'Arques

terça-feira, 6 de abril de 2010

O Substituto - Pat Warren

Postado por Mara às 4/06/2010 09:12:00 PM 3 comentários
O Substituto Bianca Sonhos nº 5
Qual era o sentimento que movia Alex?
Quando Alex Shephard descobriu que devia sua vida a alguém que deixara desamparado um filho e uma viúva, a culpa o obrigou a procurá-los.
Mas não foi culpa o que ele sentiu ao ver a encantadora Megan Delaney. Embora ela fosse uma típica dona de casa do interior, e ele não suportasse permanecer por muito tempo em um mesmo lugar, Alex surpreendeu-se com o desejo de ficar ao lado dela.
Megan não pode resistir às amabilidades de Alex Shephard. Por alguma razão, aquele executivo bem sucedido parecia disposto a bancar o marido - e o pai -substituto.
Mas e quando ele se cansasse da brincadeira? Retornaria à sua vida de aventuras? Ou será que aqui a "Substituição" era mesmo pra valer?
Meu Comentário:
Megan Delaney é uma mulher sofrida e muito desconfiada, completamente independente.
Dona de uma pousada, leva uma vida tranquila ao lado do filho Ryan de 8 anos e da sua melhor amiga e fiel escudeira Grace.
Alex Shephard chega mudando sua rotina, infiltrando-se em sua vida, dominando, tomando decisões e se tornando o pai que Ryan sempre precisou e seu falecido marido nunca foi capaz de ser.
Alex comete erros tentando acertar enquanto Megan dificulta a vida de todo mundo com sua teimosia e orgulho.
Ponto positivo para a batalha de Alex em provar a Megan que ela não é frígida, apenas estava casada com o homem errado.
Apesar de alguns deslizes, Megan e Alex conseguem conciliar suas vidas e apesar de todas a preocupações de Alex, Megan não o condena pelo grande segredo que o atormenta.
Nota 8
Bjos
Lady d'Arques

domingo, 4 de abril de 2010

Para Sempre Seu - Gabriella Anderson

Postado por Mara às 4/04/2010 05:25:00 PM 6 comentários
Para Sempre Seu Inglaterra, século XIX Um amor que valia muito mais que fortuna e influência! Ivy St. Clair está certa de que a carta do lorde Stanhope, que a nomeou uma de suas herdeiras, vão lhe proporcionar pelo menos aventura. E aventura é a única coisa que não vai existir na sua vida depois de se casar com Neville, a mando de sua família.Para receber a herança de Stanhope, ela deve entregar um retrato ao recluso Albert Seaton, conde de Tamberlake. Seaton é um homem misterioso e possui cicatrizes de um grave acidente que sofreu. Mas suas cicatrizes são bem menos interessantes do que sua melancolia, e Seaton- gentil, bondoso e perigosamente atraente – é tudo o que o desagradável noivo de Ivy não é. E, em pouco tempo, Ivy percebe que a improvável amizade que brotou entre eles transformou-se em um tipo de amor pelo qual ela será capaz de arriscar seu nome e sua fortuna!
Meu Comentário:
É um livro inesquecível desses que a gente quando vê, logo estende a mão para pegar e iniciar a leitura.
O Conde Monstro é um homem, acho que quase como todos os rejeitados e cicatrizados dos romances...rs, terno, justo ainda que seja completamente arredio com Ivy em sua chegada.
Ivy consegue se infiltrar na casa, na vida e se instala no coração do Conde de Tamberlake. Por vários motivos são impedidos de ficarem juntos.
E ai começa o melhor do livro, pois Albert Seaton é um jogador de primeira, e consegue mover as peças de xadrez de tal maneira... que acaba ganhando o jogo e o direito de viver com Ivy para sempre.
É um romance único, inequecível e super vale a pena a leitura.
Nota 10 com certeza.
Abaixo vou postar um trechinho... pra vocês ficarem com gosto de quero mais...rs

"- Não tenho medo de você. - Ela atirou a máscara ao chão.

O som da porcelana se partindo ecoou pela galeria.

Tamberlake debruçou-se ameaçador sobre seu rosto.

- O que você fez?

Sem pensar ela tocou as cicatrizes como se desejasse redesenhá-las.

- É um belo homem, lorde Tamberlake.

O conde desistiu de lutar. Com um gemido gutural, ele se debruçou e beijou-a.

Por um instante, Ivy pensou que ele a estava matando, mas depois sua boca sentiu a dele.

Com o coração aos saltos, apoiou as mãos em seus ombros e se entregou ao beijo.

Os corpos estavam colados, e podia sentir o calor dos músculos fortes através de suas roupas."

Bjos

Lady d'Arques

sábado, 3 de abril de 2010

Um Sonho Possível

Postado por Mara às 4/03/2010 11:14:00 PM 5 comentários
O filme conta a história de Michael Oher (Quinton Aaron), um jovem negro vindo de um lar destruído, que é ajudado por uma família branca, liderada por Leigh Anne (Sandra Bullock) que acredita em seu potencial.
Com a ajuda do treinador de futebol, de sua escola e de sua nova família, Oher terá de superar diversos desafios a sua frente, o que também mudará a vida de todos a sua volta.
CURIOSIDADES
- O longa é inspirado em uma história real e dirigido por John Lee Hancock, que também escreveu o roteiro a partir do livro The Blind Side: Evolution of a Game, de Michael Lewis.
PRÊMIOS
- Sandra Bullock levou o Oscar e o Globo de Ouro de Melhor Atriz em 2010. - Indicado ao Oscar 2010 de Melhor Filme.
Meu Comentário:
É um filme para reavaliarmos nossas próprias atitudes perante as injustiças sociais, e sinceramente vejo que não tenho feito nada pra mudar ao meu redor.
Também é um alerta, uma espécie de grito contra o preconceito, que muitas vezes não notamos e existe em nós mesmos.
É triste ver como nos acomodamos diante de fatos que achamos irrevogáveis, mas que com o mínimo de esforço com certeza tomaria outros rumos.
Um filme inesquecível.
Assistam, vale a pena!
Bjos
Lady d'Arques
 

Emotion Box Copyright © 2011 Design by Ipietoon Blogger Template | web hosting