sábado, 31 de julho de 2010

As Irmãs Royle - Kathryn Caskie

Postado por Mara às 7/31/2010 11:06:00 PM 3 comentários

Ed. 396 - Como Seduzir Um Duque

Londres, 1814


Impossível resistir...

Por que será que o duque de Blackstone está tentando arruinar os planos de Mary de se casar com o irmão dele, o atraente visconde Wetherly? Basta ela virar uma esquina que lá está ele, a provocá-la... E quanto mais Mary tenta ignorá-lo, mais insistente ele se torna. Mary sabe que precisa fazer um bom casamento, mas Blackstone está longe de ser o noivo ideal! Ou não? Blackstone está determinado a impedir que seu irmão se deixe levar pelo charme de uma pretendente astuta, mesmo que se trate de uma dama tão encantadora quanto Mary Royle. Mas até Mary aparecer, mulher nenhuma havia resistido ao seu poder de sedução... Será possível que ele esteja se apaixonando por aquela jovem enervantemente bela e encantadora?...

Ed. 397 - Como Conquistar um Conde

Londres, 1815


Ela pensou que ele estivesse sozinho.

A última coisa que o conde MacLaren deseja é uma esposa. Por isso, ao acordar e descobrir uma beldade de cabelos loiros deitada em sua cama, ele se comporta como qualquer outro homem faria, aproveitando-se da deliciosa situação. Então sua família irrompe quarto adentro, e a atrevida jovem anuncia que é sua prometida. E Maclaren se vê prestes a ser fisgado para sempre! A tímida e recatada Anne Royle nunca fez algo tão insano em toda sua vida. Ela entrou no quarto do conde, não com o intuito de seduzi-lo, e sim de encontrar um documento que poderia revelar a verdade sobre sua descendência. Agora, porém, seu mundo virou de pernas para o ar, e ao mesmo tempo que entra em pânico só de pensar na noite de núpcias, Anne se vê ansiando por esse momento, de uma maneira que nunca imaginou ser possível...

Ed. 406 - Como Casar com Um Príncipe

Londres, 1815


Um sonho de Cinderela...
Princesas costumam usar uma tiara na cabeça. Sendo assim, quando a tiara lhe servir, não desista de usá-la. E é exatamente isso que Elizabeth Royle pretende fazer. Afinal, se não conseguiu ser reconhecida como filha de um príncipe o mínimo que merece por direito é se casar com outro. Elizabeth, a mais nova das famosas irmãs Royle, quase perde os sentidos quando encontra seu futuro marido, um homem que antes tinha visto unicamente em sonhos, e que descobre tratar-se de um príncipe. Sua alegria, porém, dura pouco, pois ela logo fica sabendo que Leopold está noivo de outra jovem, ninguém menos do que a princesa Charlotte. Qualquer outra mulher, na mesma situação, recuaria, mas não Elizabeth. Afinal, ela é uma Royle... Recusando-se a abrir mão de seu sonho, Elizabeth assume a posição de dama de companhia de Charlotte, determinada a se aproximar de seu par perfeito. Mas o homem que ela deseja não é quem parece ser... e somente depois de descobrir a verdade é que ela encontra o amor pelo qual esperou a vida inteira...


Meu Comentário:

1º livro da série Irmãs Royle

Esse livro ganhei da Rogi... e amei o Duque Negro e as três filhas bastardas do Príncipe Regente em sua busca desesperada pelas provas que as legitimaria.

A história é muito boa... tem muito humor.

Nota 8,5.

2º livro da série Irmãs Royle

Continua o mistério acerca do nascimento das trigêmeas.

Anne é hilária e muito meiga, um pouco acanhada, e com Laird faz o par perfeito.

Ressaltando claro o trabalho de cupido dos lords Velhotes e de uma lady muito astuta e ardilosa.

Nota 8,5.


3º livro da série Irmãs Royle

Na minha opinião ficou meio que faltando algo, talvez tenha sido "Confiança", pois Summer demorou demais ao meu ver para contar a verdade para Elizabeth causando-lhe sofrimentos desnecessários.

O final do mistério não me agradou, pois após 3 livros buscando a verdade acerca do próprio nascimento, as trigêmeas foram induzidas a acreditar numa mentira ainda maior.

Definitivamente fiquei decepcionada, pois ao menos as 3 tinham o direito à verdade.

Boa história, mas o desfecho ficou a desejar.

Nota 7,5.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Fruto da tentação - Nora Roberts

Postado por Rafaela às 7/30/2010 09:16:00 PM 0 comentários



Eles só tinham um caminho a seguir: as chamas do prazer!

Sinopse:

Uma paixão que nasceu do ódio entre duas famílias.

O ódio entre os Baron e os Murdock era muito antigo. Mas, como Adão e Eva no paraíso, Júlia e Aron não conseguem resistir à tentação de provar o fruto proibido e se entregam a uma louca paixão, selvagem, quase suicida!
O desejo impiedoso os consome. E impossível para eles ignorá-lo. Que sentença cruel seus familiares lhe infligiriam se os vissem agora, nus, abraçados, totalmente enfeitiçados pela volúpia deste amor?


Minha Opinião:

Fruto da tentação é um livro bem antigo da Nora e que foi relançado recentemente numa coletânea lá nos Estados Unidos.
Apesar de ser antigo a história poderia muito bem se passar atualmente pois não tem descrições detalhadas nem marcantes dos anos 80 (época em que foi lançado), acho que isso é uma das características do trabalho da Nora, as obras dela permanecem atuais, (acho que exceto só a Série Mortal, que é futurista). E possivelmente seja uma das coisas que eu mais goste nas obras dela.

Outra coisa interessante é notar como sua escrita era mais simples e foi ficando mais elaborada, as tramas mais complexas, mas como ela sempre foi talentosa mesmo no começo. Seus textos evoluiram, digamos assim, mas os antigos também são ótimos a diferença é pouca na verdade. Acho que a mudança é natural, porque a prática leva a perfeição e quanto mais se pratica a tendência é melhorar, e o autor também é influenciado pelas suas próprias mudanças, pelas mudanças dos outros e pelas mudanças no mundo.

Fruto da tentação como diz a sinopse, conta a história de um amor proibido, pois as famílias dos protagonistas são inimigas de longa data. Mas não me pareceu ser algo do tipo Romeu e Julieta (onde o ódio das famílias de uma para a outra era mortal).
A hostilidade existia sim, mas era uma coisa mais restrita ao pai do Aron e o avô da Julia e não tanto ao resto da família e como o avô da Julia já havia falecido faz um certo tempo, a inimizade ficou reduzida à mais uma espécie de lenda e a um afastamento algo do tipo você-fica-nas-suas-terras-que-eu-fico-nas-minhas-e-não-quero-papo.

Então quando o Aron e a Julia se envolvem, não é um grande choque para os pais dele, a resistência maior parte da própria Julia que não quer saber de aproximação com o Aron nem com sua família e que fica totalmente confusa e dividida por causa de tudo que sempre ouviu falar sobre os Murdock pelo avô e pelos sentimentos que começa a desenvolver pelo Aron. Além do fato dela ter sofrido uma desilusão amorosa no passado e ter medo de sofrer de novo e perder a sua tão amada e difícil de conquistar, liberdade.

O Aron ficou totalmente caído pela Julia desde que a viu pela primeira vez e agora tem o desafio de tentar mostrar à ela que essa hostilidade entre as famílias é coisa do passado e que nem todos os homens são iguais, que ele gosta dela do jeito que ela é, e uma das coisas que mais admira nela é a sua força de caráter e independência.

É um livro com clima de fazenda, gosto bastante de livros da Nora Roberts que se passam nesse universo rural, são bem diferentes do que estou acostumada a ler dela.
As tramas dela são atemporais e valem MUITO a pena ler, em qualquer universo que se passem e em qualquer época da vida.
Sou fã de carteirinha dela, acho os livros impecáveis e são poucos de que não gosto.
Nora é sempre Nora.
Super recomendo.
Bjs

domingo, 18 de julho de 2010

Famílias Wherlocke e Vaughn — Hannah Howell

Postado por Lidy às 7/18/2010 11:36:00 PM 13 comentários
Abandonando a Escócia da Idade Média, partimos numa viagem direta rumo à Inglaterra regencial, mais precisamente, à vida das famílias Wherlocke e Vaughn, cujos membros possuem dons especiais. Infelizmente, quando os membros da família não estão procurando problemas, os problemas é que estão procurando por eles.

1. If He's Wicked
Não publicado no Brasil.
Chloe Wherlocke e Julian Kenwood.

Ela salva sua vida…
Para Chloe Wherlocke, tudo começa com uma visão — um vislumbre do futuro que prediz um terrível plano contra lorde Julian Kenwood e seu filho recém-nascido. O dom psíquico de Chloe lhe permite salvar a criança da morte certa, mas o conde permanece em grave perigo…


Mas quando ele rouba seu coração…
Julian Kenwood sabe que alguém está tentando matá-lo e suspeita que sejam as maquinações de sua esposa e do amante o que está por trás do plano. Mas Julian fica chocado quando Chloe, uma estranha cativante e de cabelos escuros, o avisa que forças sinistras estão realmente à mão — e expõe um segredo devastador que muda sua vida para sempre…

Ela vai resistir — ou se render?
Quando Chloe revela seu plano para salvar Julian, nenhum deles consegue negar a atração que aumenta a cada momento em que estão juntos. Chloe sabe que o lorde bem-nascido nunca poderá amá-la como ela o ama. Mas quando o perigo se aproxima mais, Chloe deve arriscar tudo — ou perder Julian para sempre…

2. If He's Sinful
Não publicado no Brasil.
Penelope Wherlocke e Ashton Radmoor.

Comenta-se em Londres que os membros da família Wherlocke são possuidores de certos dons inexplicáveis. Mas lorde Ashton Radmoor é cético — até encontrar uma inocente beldade deitada drogada e desamparada no quarto de um bordel. A misteriosa mulher é Penelope Wherlocke, e seu dom especial a está levando profundamente em um mundo perigoso de perfidia e traição. Ashton sabe que deve esquecê-la, mas está cada vez mais atraído no vórtex da vida dela, determinado a mantê-la segura. Mas Penelope é não é uma mulher ordinária, e nunca encontrou um homem forte o suficiente para competir com suas habilidades incomuns. Até agora…

3. If He's Wild
Não publicado no Brasil.
Alethea Vaughn Channing e Hartley Greville.

Lady Alethea Vaughn Channing é perseguida pela visão de um homem em perigo — o mesmo homem que ela vê em sonhos há anos. Ela sequer sabe seu nome, e mesmo assim sente a conexão entre eles, sabe que é a única entre ele o desastre. Mas o libertino lorde Hartley Greville é capaz de se proteger, como já provou mais de uma vez no seu perigoso trabalho como um espião da coroa. Se ele vai cumprir seu dever, terá de colocar de lado a mulher dolorosamente bela com um dom estranho. E então, quando as visões de Alethea revelam uma trama que poderia colocar crianças em perigo, Hartley não poderá ignorar o destino que os coloca juntos — ou resistir à paixão que queima entre eles.

Difícil saber qual é o melhor entre os três. Os protagonistas são como os Murray — mulheres decididas que não pedem permissão e não se curvam ao destino, homens protetores, amigos bem-intencionados e parentes intrometidos.

Os Wherlocke e os Vaughn têm sido agregados há séculos, e realizam casamentos entre as famílias desde… Sempre, pois o número de casamentos feitos com forasteiros que acabam em divórcios e filhos abandonados é enorme. Os Wherlocke/Vaughn têm todo tipo de dom — desde a uma poderosa empatia que os afasta das pessoas até ao singelo dom de cura.

Hannah Howell começou a escrevê-los para dar um tempo nos Murray, e apesar dos ingredientes familiares (amigos, mocinhos, etc.…), pode-se perceber que os estilos são diferentes. Os vilões continuam cruéis e as histórias apaixonantes, mas a quantidade de homens teimosos e com noções distorcidas de certo e errado diminuiu — graças a Deus.

No fim de “If He’s Wild” — que tem os vilões mais gente ruim que a Hannah já criou —, ela manda uma carta aos leitores e promete mais Murray (com a história de sir Simon Innes e Ilsabeth Murray Armstrong — a filha de Elspeth e Cormac, o casal de “Juramento de Amor” —, a ser lançada ainda no final de 2010) e mais Wherlocke/Vaughn — desta vez com o adorável libertino sir Argus. E talvez, num futuro próximo, o primo Modred, o empata isolado da família, ganhe um livro próprio (sim, sou o tipo de leitora que sai procurando por coadjuvantes interessantes em busca de seqüências).

Ah, conversando com a Rafa e a Mara, decidi traduzi um trechinho e postar aqui. Não sei quantos de vocês lêem minhas resenhas, e menos ainda se lembram da parte que eu digo que as crianças da Hannah são precoces demais...
Ashton encarou o menininho com cara de anjo que abrira a porta. Ele podia jurar que o berro da criança ainda ecoava pela casa. A risada mal-abafada de seus amigos dizia que ele não estava errado no que acabara de ouvir. Quando a criança berrara o nome de Penelope e a mulher berrara de volta, Ashton ainda estava chocado demais para se surpreender.
— Entrem — o menino disse. — Sou Paul, o bastardo do primo Orion. A sala é por aqui.
Seguindo o garoto, Ashton estudou atentamente o ambiente ao redor. Era uma causa espaçosa e muito limpa. A mobília da sala para onde o menino os levava eram de boa qualidade, mas um tanto desgastada. Ashton reconheceu dois dos garotos que resgataram Penelope jogando xadrez numa mesa no canto da grande sala. Os olhares jogados em sua direção não eram amigáveis, apesar de seus cumprimentos murmurados serem muito educados. Acima de sua cabeça, ele podia ouvir o que parecia um pequeno exército se mover.
— Vocês os conhecem — o menino disse e apontou para Stefan e Darius —, mas eu não conheço vocês.
Ashton apresentou seus amigos ao menino quando todos encontraram assentos na sala, o que se provou ser sofás e cadeiras surpreendentemente confortáveis. Era o tipo de cadeiras muitas vezes banidas para o sótão e substituídas por outras mais tênues e delicadas, em que um homem tinha que sentar com muito cuidado. Ele deixou de examinar o antes caro, mas agora desgastado tapete debaixo de seus pés para encontrar o pequeno querubim chamado Paul sentado na mesa entre os sofás de frente, o olhando com uma intensidade perturbadora.
— Eles realmente o viram pelado naquele bordel? — Paul perguntou com sua voz doce, seus olhos azul-escuros arregalados e cheios de inocência.
O calor de uma desacostumada vergonha aqueceu as bochechas de Ashton. Ele nem se preocupou em dar uma olhada repreensiva nos outros dois garotos, sabendo que isso não faria para sufocar o riso. Entretanto, ele olhou os amigos, que faziam um trabalho pobre em esconder sua diversão. Encarando o menininho de novo, Ashton imaginou se a criança era realmente tão doce quanto parecia. Havia um brilho nos olhos hipnotizantes da criança que fez Ashton achar que Paul poderia não entender todas as conseqüências do que estava falando, mas sabia o bastante para saber que era terrivelmente audacioso.
— Eu não estava esperando companhia naquele momento — ele disse.
— Você é mesmo tão grande quanto um cavalo?
— Paul!

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Farsa inocente - Paula Marshall

Postado por Rafaela às 7/12/2010 11:00:00 AM 1 comentários
Sinopse:

Para ele não havia passado... Mas nada era tão simples assim!

Thomas Dilhorne era um homem muito diferente do pai. Casara-se com a namorada de infância e criara uma vida de amor e felicidade. Mas a perda da esposa o transformou numa pessoa ainda mais severa erude.  Desesperado, o pai de Thomas o enviou a Melbourne para resolver alguns negócios que não iam bem.
Porém, ele estava demorando demais para voltar, e todos começaram a se preocupar... Mal podiam imaginar que Thomas perdera a memória... e que criara uma nova vida com uma nova família na Austrália!  

Minha Opinião:  

Farsa inocente é o quarto livro da Dinastia Dilhorne, que como os leitores mais antigos do blog sabem, eu AMO de paixão. É composta por cinco livros (que eu saiba) e tenho todos. Inclusive já falei sobre dois deles aqui e aqui. Este é o livro do Thomas o outro gêmeo, também filho de Tom Dilhorne, na verdade o mais velho. E apesar de ter o nome do pai, é completamente diferente dele, tanto fisicamente (puxou alguns traços da mãe) quanto na personalidade.

Thomas é frio, distante e não demonstra seus sentimentos nem compaixão por ninguém, em realidade ele não era assim, sempre foi meio introvertido e quieto, diferentemente do resto da família, mas mesmo assim mudou muito quando sua esposa morreu. Se transformou num homem amargurado. Acho que o título deste livro é que era para ser Tramas do destino e não o do Alan (mesmo sendo editoras diferentes que lançaram, mas enfim...), porque o que acontece com o Thomas no decorrer da história é pura ironia do destino, ele acaba se transformando naquilo que ele mais desprezava, depois da sua perda de memória. É uma bela lição que a vida o ensina, chega a ser poético rs.

Adoro esse tipo de reviravolta. Thomas ou Fred (nome adotado por ele quando perde a memória) são verdadeiros opostos, ele assume uma vida completamente diferente, bem mais humilde, cercado de pessoas humildes, num ambiente em que Thomas Dilhorne JAMAIS pisaria. E durante essa nova vida, ele vai aprender o que realmente é valioso e vai redescobrir o valor de coisas as quais nunca deu a devida importância.

Os momentos finais do livro são o melhor na história, o ápice é o momento da recuperação da memória e o reencontro. O final é muito lindinho, compensa o fato do romance só acontecer quase nas últimas páginas. Tom e Hester, os pais do Thomas, tem mais destaque neste livro, principalmente o Tom. O que me deixou bem feliz, porque eu simplesmente ADORO o Tom, acho que ele é a essência da série, o melhor personagem e apesar do tempo ter passado, continua sagaz como sempre.

Mega recomendo Farsa inocente, tanto quanto os outros da série! Dinastia Dilhorne = ♥ Bjs

sexta-feira, 9 de julho de 2010

A casa das máscaras - Candace Camp

Postado por Rafaela às 7/09/2010 10:30:00 AM 2 comentários
Sinopse:

Terceiro e último livro da Trilogia dos Aincourt, A casa das máscaras é a história de amor e redenção entre Rachel Aincourt e Michael Trent, o lorde de Westhampton. Embora casados há sete anos, Rachel e Michael jamais formaram um casal. Marcada pelo arrependimento de um tolo ato de rebeldia, Rachel está certa de que não é digna de Michael. Afinal, tentara fugir dele dois dias antes do matrimônio. Michael, por sua vez, sofre com a indiferença da esposa. Ele a deseja com todas as forças, mas sua insegurança o impede de se aproximar de Rachel. Ao longo de todos esses anos de solidão, Michael construiu uma vida secreta como investigador. Rachel sequer desconfia das bizarras atividades de seu marido, pois para ela Michael tem uma amante. Até que um dia Michael se envolve com um caso de assassinato. E ele está tão perto de descobrir toda a verdade, que acaba por colocar Rachel em perigo. Agora, ele terá de salvar o grande amor de sua vida e provar para ela que ninguém jamais a amará como ele a ama. Com boas doses de sedução, intriga e sensualidade, a casa das máscaras é mais um sucesso de Candace Camp uma das maiores autoras de romances históricos de todos os tempos.  

Minha Opinião:

Uma das categorias de livros que eu mais gosto são os livros históricos. Justamente por misturar ficção, com costumes e acontecimentos históricos. A casa das máscaras é o terceiro e último volume da Trilogia dos Aincourt da autora Candace Camp. Composta pelos seguintes livros: A mansão dos segredos (Livro I); O castelo das sombras (Livro II) e A casa das máscaras (Livro III). Mas é um livro que se pode ler separado dos outros (como foi o meu caso), que você não irá ficar perdido na trama, porque o que é explorado é o casal principal e seu relacionamento, os outros acontecimentos são usados como pano de fundo. Tem sim claro, uma pequenina citação de alguns fatos passados nos outros livros, até porque se trata de uma família e seus agregados e como os personagens se relacionam e alguns aparecem em outros livros, é normal que isso aconteça, mas como já disse, nada que prejudique a compreensão da estória, pois essas citações e esclarecimentos são mínimos. O romance nesse livro é abordado de uma forma um tanto quanto diferente, pois o par romântico já está casado há muito tempo e vive o que podemos chamar de um casamento de aparências e conveniências, pelo menos é o que eles e os amigos e parentes acreditam. Mas no fundo cada um tem sentimentos pelo outro, principalmente o marido Michael, que já casou amando sua esposa Rachel. Já da parte de Rachel, esses sentimentos foram surgindo com o tempo, mas ela acredita que o marido que ela sabia que a amava antes de se casarem, não mais se sente assim por um erro que ela cometeu poucos dias antes da cerimônia, levada por uma paixão antiga. Agora eles vivem esse relacionamento distante, frio e formal, por causa de mal-entendidos e coisas não ditas. E se já não bastasse, muitos segredos serão revelados, toda uma vida desconhecida, e ainda existe o suspense de alguém desconhecido que quer eliminar o Michael. Numa história muito bem elaborada, Candace Camp nos mostra como eram alguns dos costumes, hábitos e regras da sociedade inglesa da época da regência e como o diálogo praticamente inexistente entre um casal, pode chegar a quase destruir a relação se algo não for feito. Gostei muitíssimo do livro! Um romance com pitadas de suspense, me lembrou até um pouco as histórias de Sherlock Holmes, na parte da dedução sobre os crimes, acredito que tenha uma referência e/ou seja um pouco influenciado por ele. Muito bem escrito e excelente acabamento. Adorei "A casa das máscaras"! Esse com certeza indico para os fãs de históricos! Até mais ver. Bjs

quinta-feira, 8 de julho de 2010

As Duas Vidas de Adrienne - Nina Beaumont

Postado por Mara às 7/08/2010 08:50:00 PM 2 comentários
As Duas Vidas de Adrienne
Ao ser levada para o leito nupcial, Adrienne não tinha como fugir: dentro de instantes teria de entregar sua pureza a um estranho!
O duque Alessandro di Montefiore, precisava consumar aquele casamento arranjado. Mas não confiava em sua esposa: Isabella era famosa em Siena tanto por sua beleza quanto por sua maldade! Contudo, na noite de núpcias, quando ela o fitou com um misto de vergonha e desejo em seus olhos ardentes, Alessandro decidiu arriscar a própria vida pela promessa de alucinantes momentos de paixão... O destino levara Adrienne de Beaufort em uma viagem através do tempo e a fizera encarnar no corpo de sua ancestral Isabella Pulcinelli - mulher marcada pela perfídia e pela traição. Sua alma, porém, não se altera, e só Adrienne poderia evitar a tragédia que rondava Alessandro: a morte pelas mãos da cruel Isabella.
Meu Comentário:
É um livro surpreendente, denso e eletrizante.

Apesar de vir do futuro e saber os fatos ocorridos, na ânsia de mudá-los e salvar a vida de 

Sandro, torna-se impossível deter os acontecimentos ou a manipulá-los a seu bel prazer.

A parte do relacionamento incestuoso que a antiga Isabela tinha com os irmãos é chocante.

A desconfiança constante de Alessandro é compreensível, mas se torna um fardo doloroso ao longo da estória para Adriene, que abdicou da própria vida para tentar salvá-lo.

O livro é 100% suspense, nunca se pode prever o próximo acontecimento.

A cena em que Sandro será executado é impressionante e assustadora.

O desfecho é perfeito, e a cena epíloga onde Isabela pede seu corpo de volta é arrepiante.

Nota 9

Bjos
Lady d'Arques

P.S. É o segundo livro da Nina que eu leio e nas duas leituras fiquei com a sensação estranho de sombras, como se sobre as tramas pairasse uma nuvem negra, escura e ameaçadora.

sábado, 3 de julho de 2010

Solteiro Sob Medida - Laura Wright

Postado por Mara às 7/03/2010 02:27:00 PM 5 comentários

Trent Tanford tinha uma semana para encontrar uma esposa...
ou perderia seu império. Mas nenhuma de suas amantes
satisfazia as exigências de seu pai. Com seus óculos de aros
grossos e camisetas largas, Carrie Gray parecia perfeita. Trent
tinha o dinheiro e o charme para convencê-la, mas como aparecer
do nada e perguntar: “Quer se casar comigo?”

Meu Comentário:

É um livro rápido e gostoso de ler.

Trent é um playboy que ao longo da história se mostra um homem sensível, possessivo e apaixonado.

Carrie é uma mocinha sofrida, mas determinada e muito sincera.

A história trata de um tema bastante difícil que é o fato de você conviver com alguém que ama muito e sofre da doença de Alzheimer.

Esse livro nos remete ao "amor sincero" que floresce no mais improvável dos ambientes, "Um Acordo Comercial".

Linda, Nota 10.
 

Emotion Box Copyright © 2011 Design by Ipietoon Blogger Template | web hosting